domingo, 5 de julho de 2015

OWARI NO SERAPH - SAWANO = :/



Spoilers

Owari no Seraph, ou Seraph of the End: Vampire Reign para os americanisados, é uma adaptação mal-sucedida para mim do mangá com o mesmo nome, trazida pela Wit Studio. Enfim, a história se inicia com um vírus, que acabou com a maioria da humanidade, porém não afetou nenhuma criança com até 12 (ou 13, não lembro) anos. Hm, acho que agora os cientistas devem passar a considerar o Vírus um ser vivo, porque ele tá tão vivo que até escolhe a idade de quem ataca! 

Prosseguindo, nosso protagonista, valente e corajoso, Yuichiro Hyakuya, e sua família emprestada do orfanato Hyakuya (daí vem o sobrenome do desolado) são sobreviventes do vírus e são levados como "prisioneiros" pelos vampiros que "brotam" do nada, para viverem como estoque de sangue, ou seja, eles vão ser cuidados pelos vampiros em troca de sangue. 





Não sei porque, mas odeio animes com vampiros. Não sei, acho muito estranho, porém há algumas exceções como Shiki. Nesse quesito para mim, OnS não foi ruim, gostei de como posicionaram os vampiros, de uma maneira que não parecessem burros, ou bestas irracionais que só vêem sangue.

O problema que me incomodou MUITO no anime, foi o excesso de protagonismo que tinha em Yu. Ás vezes me sentia assistindo Shingeki no Kyojin ao ver o protagonista repetidamente e odiosamente falar: "Eu vou matar todos os Titãs, opa, vampiros.". Esse clichê me incomoda muito, mas muito mesmo. 

Voltando à história, no final do primeiro episódio, Yu consegue sair da "colônia" (?) vampira deixando sua família (Mika) à mercê do destino com os vampiros. Sinceramente, adorei essa parte. Mesmo sendo sua única família, Yu fugiu, mostrando-se egoísta (uma coisa que a maioria dos animes que vejo não mostra, optando colocar um personagem que ajuda à todos mas se lasca no final (estou falando isso olhando pra você, Shirou)).

No final das contas, Yu torna-se parte da Companhia do Demônio da Lua, que visa retomar a dignidade humana. Por outro lado, Mika torna-se um sangue-suga. Porém, ambos têm a esperança de rever um ao outro. Enfim, a bomba explode, quando por ironia do destino, por Mika atacar Guren, Yu, desesperadamente e cegamente, obvio, Yu ataca seu crush para defender o coitado do Guren.


Assim acaba mais um episódio de Avenida Brasil

Agora a brincadeira ficou boa, realmente, só agora, no décimo primeiro episódio de um anime que tem apenas doze. Realmente, parece que o anime só desenvolveu-se nos últimos episódios, sendo que os anteriores eram falação, falação, família, Yu, Mika com crise de personalidade, lutas chatas etc.

E fora quando acontecia alguma luta, não era nada de sensacional. Era sempre meia boca, e que no final nossos incríveis heróis sempre ganhavam. Parece também que o autor quer passar a mensagem que demônio algum consegue continuar no coro de alguém perto de Yu e seus amigos, sendo que quando Yochi fica possuído pelo demônio que tenta dominar para ganhar seu Demon Gear, eles conseguem reverter a situação do inocente Yochi (que pelamor, por que ele foi junto com o pessoal para conseguir seu gear se ele mesmo sabia que era fraco? Assim, pra participar, os candidatos precisavam passar por provas, testes físicos, porém os personagens principais passaram sem nada disso. Uma palavra apenas: FORÇADO), mesmo depois de Guren ter dito que era impossível reverter a situação. Esses caras são brabos.

Uma coisa que não me incomodou e nem me agradou, foi o excesso de elementos bíblicos, mais precisamente, de elementos do livro de Apocalipse. Só chamar um monstro de "Os Quatro Cavaleiros de João" parece estranho de mais, mas ok. Pra não falar que não me incomodei, apenas os demônios me fizeram torcer um pouco o nariz. Eu estava imaginando-os como os demônios do cristianismo, então fui logo ver spoilers pra tirar minhas dúvidas. Na verdade, eles são almas de vampiros, pronto. Porém, a maneira que o anime liga tanto os demônios aos mocinhos da história é que eu não gosto.

De longe, os únicos personagens que gostei foram: Ferid, nem tanto, mas o achei divertido; Shinoa, adorei o sarcasmo dela, minha personagem favorita; e Guren, não sei porque, mas gostei dele. 

Acho que o maior problema com o anime, são os personagens. Por exemplo, vejo a Mitsuba como uma Asuka (NGE) de OnS só que loira, Yu como um Eren qualquer da vida (sendo que a personalidade dos dois é super clichê. Sempre tem um personagem que quer matar todos alguma coisa nos animes), até o design do Yu á clichê, parece que foi desenhado por esses otakus da vida, Mikaela como outro Kuudere qualquer.

Definitivamente, para mim, OnS encaixa-se naqueles animes que tinham potencial, mas foram executados de maneira qualquer. Não só o anime, sendo que a adaptação segue ao mangá, então, até o mangá eu julgaria assim. Ele tinha tudo pra dar certo. Arte, muito boa, história, que é boa também (gostei muito dos vampiros terem tecnologia, mostrando que não era uma luta só entre dentes e armas, mas sim dois "tipos" de humanos com necessidades diferentes e que não poderiam coexistir), tirando a parte do vírus que achei ridícula e sem sentido e Hiroyuki Sawano! Gente é o Sawano!

Sem falar da arte que é sensacional, às vezes parecia que o cenário era do jogo The Last of Us, porque estava tudo em decadência etc, mas isso não é uma coisa ruim, mas sim ótima. E fora a OST, composta por Sawano. Sinceramente, só a OST me deu forças para continuar assistindo, pois o anime em conjunto, é meia boca, sem emoções e nem plot twists. O único plot twist que teve é quando Yu dá uma louca (estilo Eren) e deixa o "seu interior" o controlar. Mesmo assim é tão previsível como um saquinho de catupiry.

Pra falar a verdade, o anime só se tornou bom nos últimos episódios, mas ainda há uma esperança, espero que na outra metade do anime, boa parte dos problemas citados sejam corrigidos. Enfim, mesmo com tantos problemas, o anime ainda merece uma olhadinha, temos Sawano, não é verdade?

OBS: QUE OPENING MARAVILHOSA

0 comentários:

Postar um comentário